top of page
GUPET.jpg
MÍDIA DA CASTERLEITE ATUALIZADA_edited.jpg
95090b_c4ed513d5c6c4c7ab4c88326c9ab528b~mv2.png
MIDIA JORNAL A FOLHA DO VALE DISK PRÁTIC
Guia Digital da Cidade_edited.jpg
Mandala%20do%20L%C3%ADrio_edited.jpg

Integração Ativa, no Guia Digital da Cidade:

Terreno baldio dará lugar a corredor de biodiversidade em Montreal


Após anos de construção e concreto, diversas cidades começam a buscar formas de atrair polinizadores. Ao menos os que entenderam como o futuro depende desses seres vivos. É neste sentido que trazemos aqui uma experiência de um bairro em Montreal, no Canadá, que transformará um lote vazio em um verdadeiro corredor de biodiversidade.


O distrito de São Lourenço, onde o plano será aplicado, tem 70% do seu território coberto por asfalto. Região foi afetada pelo rápido crescimento de Montreal nos anos 60 e 70 e ainda hoje é ocupada por diversas atividades industriais e comerciais.

Desde 2015, autoridades locais começaram a pensar em como trazer a natureza de volta e, por isso, lançaram um concurso de arquitetura paisagística. O corredor de biodiversidade levou a melhor.

Quatro empresas – civiliti, LAND Italia, Table Architecture e Biodiversité Conseil – são responsáveis pelo projeto vencedor.


Corredor de biodiversidade

A “espinha dorsal” do projeto vencedor é uma faixa estreita de terreno baldio localizado sob linhas de energia ao longo de três avenidas principais.

De acordo com o plano, os gramados atualmente estéreis serão transformados em prados floridos que atrairão pássaros, insetos polinizadores e pequenos animais.

A ideia é levar mais verde para o ambiente urbano reconectando espaços verdes existentes e futuros. Ao criar um corredor contínuo espera-se que animais e vegetação recuperem seu “habitat perdido”.

O plano também inclui novas trilhas para pedestres e ciclovias, bem como áreas de atividade ou descanso para lazer de trabalhadores e residentes.

“O futuro corredor nos permitirá fazer a transição de uma paisagem que foi muito modificada pelos seres humanos, perdendo sua biodiversidade e resiliência, para uma natureza urbana abundante e diversificada, conectada e ligada aos seres humanos”, acredita Alan DeSousa, gestor do distrito de São Lourenço.

Transformar lotes vazios em espaços verdes, uma ideia tão simples como eficiente. Aqui no Brasil, muitos têm usado tais áreas para criar hortas comunitárias. É bonito, ajuda na segurança alimentar e serve até de terapia para alguns. Aliás, um estudo nos Estados Unidos já apontou que terrenos baldios transformados em áreas verdes podem ajudar a melhorar a saúde mental.


P.09 DA ED_edited.jpg
bottom of page