top of page
GUPET.jpg
MÍDIA DA CASTERLEITE ATUALIZADA_edited.jpg
95090b_c4ed513d5c6c4c7ab4c88326c9ab528b~mv2.png
MIDIA JORNAL A FOLHA DO VALE DISK PRÁTIC
Guia Digital da Cidade_edited.jpg
Mandala%20do%20L%C3%ADrio_edited.jpg

Integração Ativa, no Guia Digital da Cidade:

O Quanto Somos Animais, ao Invés de Ser?

Pode parecer estranho, mas infelizmente somos mais animais, do que de fato “ser humano”, pois, são os animais que tem o hábito de marcar território, impor sua força, atacar outros animais e usar o porte físico e suas forças para se impor.

Claro, devemos entender, que tudo que tem vida neste planeta, está numa “escada de evolução”, e os “animais humanos” são o ápice deste planeta, todavia, cada um pode nascer do espirito e ir “aos universos”, ou continuar sendo um “animal humano” ou até mesmo descer nos reinos animais novamente de acordo com as suas ações enquanto “animal humano”.


Na realidade, se fomos analisar friamente, somos muitas das vezes, bem piores do que os animais, pois, muitos acumulam muito mais do que o necessário para a sua sobrevivência, muitos usam tudo que pode para se impor e massacrar todos que tem menos dinheiro, menos poder político, menos força física e usa tudo ao seu alcance para perseguir, agredir, matar e impor suas crenças e ideologias, portanto, bem piores do que os animais.


Na Índia tem um “místico” muito respeitado e considerado naquele território, e agora nesta época de pandemia, uma pessoa via internet questiona o que fazer nesta época de pandemia em que a violência doméstica aumenta?


Aliás, parte do raciocínio desta matéria se baseia em pontos levantados pela resposta dada pelo mesmo a todos que lhe seguem e a pessoa que fez a pergunta, vídeo que faz parte deste raciocínio, do quanto precisamos superar os nossos lados animais, se de fato queremos sair da terra, caso contrário, poderemos continuar sendo animais, e ficarmos presos aqui, até o inferno (quando à terra estiver dentro do sol) chegar aqui.


Devemos entender que nem somos o corpo, assim como, o motorista nem é o carro, mas como o carro nem anda sem motorista, assim, um corpo sem a essência que lhe da vida nem se movimenta, e da mesma forma que um motorista desce do carro quando o mesmo estraga, toda essência sai do corpo quando a condição de vida se torna inviável, todavia, essa essência continua presa em tudo que construiu, família, propriedades, cidade, enfim, preso nos desejos da carne, em tudo que é terra, e muitas vezes volta a vida na roda das existências como “animal humano” em melhores ou piores condições, ou até em outras formas de vidas, dependendo das ações realizadas em vidas anteriores.

Toda vez que abraçamos cada vez mais e mais terra, que são os sentimentos de posses, alimentamos mais e mais os nossos desejos doentios, alimentamos mentiras, ódios, invejas, vingança, poderes terrenos, vaidades, etc, etc, estamos a caminho de ficaremos por aqui até o inferno chegar na terra, pois, nem adianta pensarmos que conseguiremos saí de onde estamos emaranhados até “os ossos” da nossa "alma" ou essência, e isso pouco importa as nossas crenças, pois os universos nem vai parar de fazer o seu trabalho por causa de nossas "crenças infantis".


E nem adianta esperarmos que alguém vá nos salvar, pois, isso nem vai acontecer, pois, todos nós “animais humanos” adquiríramos a capacidade de pensarmos, raciocinarmos, entendimento para sabermos fazermos as escolhas, para assim escolhermos se queremos ficar presos na terra até o inferno chegar aqui, ou se escolhemos nascermos do espirito e sermos de fato um “ser” dos universos, ao invés de sermos uns prisioneiros dos nossos desejos na terra.

Entendemos, pois, é fácil entendermos isso, um dia à terra estará dentro do sol praticamente, todavia, se continuarmos como agimos atualmente, estaremos na terra, mesmo daqui a um milhão de anos, pois, se nem nascermos do espirito, continuaremos presos na terra.


Devemos entender que a nossa essência está adormecida pelos fascínios das “coisas terrenas”, pois, estamos apegados ao planeta, as propriedades, as famílias, ao sexo, a vingança, aos carros, as mentiras, as enganações, as explorações, as guerras ao poder terreno, as profissões, enfim, a tudo que é da terra estamos sempre devotando “as nossas energias” de criação, ao invés de voltamos ao nosso interior e entendermos o que de fato estamos fazendo aqui neste mundo de “ilusões” que nós fascina, e nós prende, como um jogo bem sofisticado que rouba o nosso tempo e os “nossos recursos”.


Entendemos que tudo “nesta realidade” são construídas para nós prender, inclusive todos que alimentam os medos, a ignorância e a escravidão de dias e noites de servidão à terra rouba todas as energias e escraviza mais e mais a cada um, todavia, cada um de nós está escolhendo ser escravo, pois se negamos a “olharmos para dentro de nós mesmo” e insistimos em procurar fora “a realidade” e a salvação, todavia, jamais vamos encontrar nada fora que possa nós salvar, pois, da mesma forma que a vida surgiu em nosso interior, em nosso coração, em nosso interior no ventre da nossa mãe terrena, da mesma forma, o “ser crístico” deve ser cultivado e deve nascer em nosso interior, em nosso "coração", enquanto estamos no ventre da nossa grande “mãe terra”.


Todavia, para isso, precisamos nos voltar ao nosso interior, e trabalharmos as nossas energias, atenções, pensamentos, emoções e ações voltadas ao nosso “real ser”, ao invés de estarmos somente alimentando os nossos desejos da terra.


Por: Maurilio Trindade Aun

P.09 DA ED_edited.jpg
bottom of page