top of page
GUPET.jpg
Logo Site Projetar e Construir.jpg
LOGO FINANÇAS E CONTABILIDADE.jpg
LOGO SAÚDE EM FOCO.jpg
Logo_AgroNegócio_&_Veterinária_Miniatura
Logo Moda & Tecnologia Miniatura.png
Logo Educação Política miniatura.jpg
MÍDIA DA CASTERLEITE ATUALIZADA_edited.jpg
95090b_c4ed513d5c6c4c7ab4c88326c9ab528b~mv2.png
MIDIA JORNAL A FOLHA DO VALE DISK PRÁTIC
Guia Digital da Cidade_edited.jpg
Mandala%20do%20L%C3%ADrio_edited.jpg

Integração Ativa, no Guia Digital da Cidade:

Calçado de casca de abacaxi é 100% vegano e biodegradável

O processo de produção é totalmente feito com fibras vegetais.


Descarte está fora de moda. Enquanto grandes empresas como a Reebok tentam produzir sapatos biodegradáveis, companhias pequenas dão exemplo de que isso é possível -, desde que se considere uma escala menor. Uma dessas companhias é a canadense Native Shoes, que criou uma marca de calçados compostos por fibras vegetais e que garantem produtos 100% biodegradáveis, isto é, que podem ser decompostos mais rapidamente na natureza.

Batizado de Plant Shoe, o calçado é feito com fibras de cascas de abacaxi, algodão orgânico, linho, polpa de eucalipto, entre outros componentes vegetais. No lugar de cola, os calçados são costurados. Um processo trabalhoso, mas que dispensa adesivos ou colas feitas com ingredientes de origem animal. Ele ainda é composto por juta trançada e embebida em azeite (o que garante mais flexibilidade) e as solas são feitas partir da seiva das seringueiras. Até mesmo a palmilha, produzida normalmente com espuma sintética, é feita com uma espécie de cânhamo e milho.



Não parece fácil apostar em tantas soluções e, de fato, a marca demora até duas semanas para fazer um único par de solas. Ainda assim, a empresa afirma em seu site que não há nada que possa ser considerado novo. “Nenhum dos nossos materiais é particularmente inovador e, de certa forma (talvez com alguns ajustes), eles estão por aí há muito tempo. Ninguém anteriormente olhou para o passado para resolver o futuro. Nós usamos técnicas muito antigas, usando materiais antigos (juta, kenaf, linho, hevea), e descobrimos uma maneira de fazê-los todos trabalharem para um tênis moderno”.



O sapato vegetal em contato com bactérias e agentes naturais começa a decomposição em cerca de 45 dias. Outra opção é reciclá-los. Tanto que a marca criou o projeto “Remix” para coletar os sapatos velhos e reaproveitá-los na criação de assentos, pisos de playground, isolamento, entre outros usos. A iniciativa integra o plano da empresa de, até 2023, conseguir gerir todo o ciclo de vida de cada par vendido.

Por não usarem nenhum ingrediente de origem animal na composição, o calçado ganhou a certificação vegana da organização PETA.

Para mais informações, acesse o site da Native Shoes.


Por: Marcia Souza | Redação Ciclo Vivo


Comments


P.09 DA ED_edited.jpg
bottom of page