top of page
GUPET.jpg
Logo Site Projetar e Construir.jpg
LOGO FINANÇAS E CONTABILIDADE.jpg
LOGO SAÚDE EM FOCO.jpg
Logo_AgroNegócio_&_Veterinária_Miniatura
Logo Moda & Tecnologia Miniatura.png
Logo Educação Política miniatura.jpg
MÍDIA DA CASTERLEITE ATUALIZADA_edited.jpg
95090b_c4ed513d5c6c4c7ab4c88326c9ab528b~mv2.png
MIDIA JORNAL A FOLHA DO VALE DISK PRÁTIC
Guia Digital da Cidade_edited.jpg
Mandala%20do%20L%C3%ADrio_edited.jpg

Integração Ativa, no Guia Digital da Cidade:

Em conferência, governador discute confisco de terras por desmatamento e taxação da mineração em MT

Em uma conferência da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), na quinta-feira (01/12), o governador Mauro Mendes (UB) debateu com os prefeitos sobre o confisco de terras por desmatamento e a taxação da mineração, além da Proposta de Emenda na Constituição (PEC) dos aposentados e pensionistas.


Em relação ao confisco de terras, o governador disse que está em tramitação, em alguns países, a proibição da compra de produtos, de terras que possuem algum tipo de desmatamento.


“Isso traz um dano gigantesco para o meio ambiente, para a economia e as exportações, então nós temos que tentar algo novo. A lei é deles, mas vai valer comercialmente para o Brasil. Nós temos o Código Florestal e não é cumprido. Os mecanismos não estão funcionando, não estão inibindo as práticas desse crime”, afirmou Mauro Mendes.

Sobre o assunto, Mauro Mendes disse ainda que uma das primeiras alterações é melhorar a Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema).

“É exigido da secretaria que coloque mais gente. Autorizei contratar mais 30 técnicos para trabalharem na área de análise, para a gente apertar mais quem faz de forma ilegal. O projeto está sendo elaborado e vai ser encaminhado para votação. Os técnicos estão fazendo a análise e vão apresentar semana que vem”, argumentou Mauro Mendes, perante dezenas de prefeitos.


Taxação da mineração

Sobre a taxação da mineração, o governador sinaliza ser a favor do projeto. A proposta prevê a alíquota de 2,5% sobre a produção. Segundo o governador, a expectativa é que haja uma arrecadação da produção de R$ 200 milhões por ano. O que não está definido ainda é para onde será destinado essa arrecadação.


O presidente da AMM, Neurilan Fraga, disse que o recurso deveria ser destinado aos municípios, já que a mineração ocorre nesses locais.


“Aproveitamos para apresentar ao governador e pedir que parte dos recursos provenientes da cobrança da mineração fique para as prefeituras. Essa exploração acontece no município e porque ele ficaria ausente na participação dessa contribuição?”, afirmou Neurilan.


Fonte: Assessoria


Comments


P.09 DA ED_edited.jpg
bottom of page