• Maurilio Trindade Aun/FolhadoVale

Mortes aumentando e os irresponsáveis defendem aulas presenciais sem a vacina

Estados estão alertando que o sistema vai entrar em colapso




Realmente a ignorância e o descaso com a vida parece estar se tornando regra no Brasil, pois, o número de contaminados estão aumentando, número de internados e de mortos, mas, mesmo assim, diversas “autoridades” irresponsáveis defendem o retorno as aulas presenciais.


Muitos esquecem de observar que todos que nem foram vacinados podem ser alcançados pelo Covid-19, mesmo que tenha sido considerado recuperados, poucos que foram contaminados desenvolveram anticorpos em seu sistema de defesa e diversas pessoas no estado de Mato Grosso já foram reinfectados, pois, tem outras cepas do Covid-19 em circulação, inclusive no Mato Grosso.


Na realidade, muitas autoridades querem lavar as mãos, passando para aos pais, escolas e professores a responsabilidade com a saúde pública, esquecendo que constitucionalmente essa responsabilidade é do estado e seus entes federativos, desempenhado pelas autoridades no exercício de suas funções públicas.


Quase todos os prefeitos sabem que os números de contaminados, internados e mortes vem aumentando, ao invés de diminuir, mesma situação no Brasil, portanto, é uma aberração a liberação do retorno as aulas sem a vacinação da maioria da população.


No caso de Juína o prefeito, Paulo Veronese baixou o decreto nº 027, de 25 de fevereiro de 2021, possibilitando que as aulas possam voltar presenciais, claro que a Organização Mundial de Saúde se manifestou que pode voltar as aulas presenciais em locais de baixa contaminação, mas isso nem é o caso do Brasil, e muito menos dos municípios da região, inclusive de Juína.


O interessante é que o Art. 4.º do referido decreto em seu inciso I diz que:


Ficam suspensas as aulas presenciais das escolas Rurais da Rede Pública Municipal e as aulas presenciais das instituições de ensino superior públicas ou privadas, por prazo indeterminado, sendo permitida a modalidade de aulas on-line ou outro meio capaz de oportunizar acesso ao conteúdo pedagógico aos alunos”.


Ora, se fosse o caso, seria exatamente no meio rural que poderia voltar as aulas gradativamente, primeiro porque haveria mais facilidade para manter o distanciamento entre os alunos, segundo, porque outras modalidades de ensino via online para esses alunos é mais dificultado, terceiro porque normalmente a educação dos alunos do meio rural é maior e obedece melhor aos professores e as regras.


Por outro lado, se alunos adultos, no ensino superior nem estão preparados para voltar as aulas, muitos menos, crianças e adolescentes, claro, neste caso estão priorizando mais a situação financeira, ao invés da vida, ou será que vão colocar todas as crianças em uma bolhas de isolamento, igual a imagem registrada na matéria, claro, isso em outros países que leva os cuidados com a saúde mais a sério, que nem é o caso do Brasil, que se continuar neste ritmo poderá ser o campeão de mortos.



Pois, o Art. 5.ºdo referido decreto diz que:


Fica autorizado o retorno gradativo das atividades presenciais nos estabelecimentos educacionais de educação infantil, ensino fundamental e do ensino médio, do setor Privado e da Rede Pública Municipal, que se adequem aos protocolos de prevenção ao COVID-19 e possuam plano de retorno das aulas aprovado pelo COE/Juina, sendo obrigatória também, a disponibilização das aulas on-line.



Claro, muitos pais estão mais preocupados em se livrar das crianças em casa, pois, devem achar muito trabalho cuidar das mesmas, mas isso é pitoresco, pois se tem dificuldade em cuidar de 2 ou 3, imagina professores cuidar de 10, 20 ou 30 alunos, obviamente é um movimento que possibilitará o contágio e mais internados e possíveis mortes.


Evidentemente, o poder público municipal está tentando se livrar de um processo civil e criminal por mortes de alunos e de professores, pois, está exigindo que os pais e os envolvidos assinam, isso está evidente no paragrafo terceiro do Art. 5 do referido decreto.


“§ 3.º Os estabelecimentos de ensino previstos no caput deverão colher TERMO DE LIVRE CONSENTIMENTO E RESPONSABILIDADE PARA RETORNO ÀS ATIVIDADES PRESENCIAIS, de todos os pais/responsáveis, esclarecendo os problemas causados pela pandemia COVID-19 e os riscos em relação ao contágio do coronavírus (COVID-19), e que é garantida a opção de permanecerem apenas na modalidade on-line, ficando assegurado seu direito escolar, inclusive em avaliações, apresentação de trabalhos, computação de presença, dentre outros”



Desta forma, o poder público está buscando isentar da responsabilidade, e os pais, professores serão os responsáveis pelas contaminações, obviamente, está evidente no mesmo parágrafo que ninguém é obrigado a ir às aulas presenciais, nisso vai depender da responsabilidade dos pais, professores e educadores diante da situação do Covid-19 em processo de aumento na região, inclusive com potencial de novas cepas que estão inclusive, reinfectando os supostos recuperados.


Acessem o decreto abaixo para se inteirar das normais do absurdo da volta as aulas sem ter no mínimo 50% da população brasileira vacinada


decreto-027-2021--fixa-medidas-excepcion
.
Download • 265KB


Por: Maurilio Trindade Aun

AudioLivros & Vídeo

Saúde em Foco

Projetar e Construir

Finanças e Contabilidade

Guia Digital de Aripuanã

Guia Digital de Brasnorte

Guia Digital de Castanheira

Guia Digital de Cotriguaçu

Guia Digital de Colniza

Guia Digital de Juína

Guia Digital de Juara

Guia Digital de Juruena

Guia Digital de Itanhangá

Guia Digital de Porto dos Gaúchos

Guia Digital de Novo Horizonte do Norte

Guia Digital de Tabaporã

Logo Site Projetar e Construir.jpg
LOGO FINANÇAS E CONTABILIDADE.jpg
LOGO SAÚDE EM FOCO.jpg
Logo_AgroNegócio_&_Veterinária_Miniatura
Logo Moda & Tecnologia Miniatura.png
Logo Educação Política miniatura.jpg

Empresas em Destaque

1/6

1/1

1/1

1/1

1/3