top of page
GUPET.jpg
Logo Site Projetar e Construir.jpg
LOGO FINANÇAS E CONTABILIDADE.jpg
LOGO SAÚDE EM FOCO.jpg
Logo_AgroNegócio_&_Veterinária_Miniatura
Logo Moda & Tecnologia Miniatura.png
Logo Educação Política miniatura.jpg
MÍDIA DA CASTERLEITE ATUALIZADA_edited.jpg
95090b_c4ed513d5c6c4c7ab4c88326c9ab528b~mv2.png
MIDIA JORNAL A FOLHA DO VALE DISK PRÁTIC
Guia Digital da Cidade_edited.jpg
Mandala%20do%20L%C3%ADrio_edited.jpg

Integração Ativa, no Guia Digital da Cidade:

Quais as principais commodities agrícolas que o Brasil produz?


As commodities brasileiras estão entre as maiores do mundo e movimentam uma grande parcela da economia desde os tempos coloniais. Saiba mais a seguir!

Os bens primários são parte de extrema importância na estrutura econômica brasileira desde o período colonial. A manufatura de cana-de-açúcar, ouro, algodão, café e borracha foram muito fortes até o início da República e são consideradas as primeiras commodities do Brasil.

Commodity é um termo em inglês que significa “bem”, “produto” ou “mercadoria”, e serve para denominar um conjunto de bens (materiais em estado bruto) que são comercializados no mercado financeiro, mais precisamente na bolsa de valores.

Por isso, é uma atividade de relevância mundial. Produtos básicos sem diferenciação e produzidos em massa são negociados nas maiores bolsas do planeta com base na oferta e demanda.

Contudo, alguns fatores podem interferir positiva ou negativamente no valor das commodities, como elementos políticos, socioeconômicos e até mesmo fenômenos naturais.

Dependendo das circunstâncias, países que dependem dessas ofertas são prejudicados de maneira generalizada, desde a escassez de alimentos na mesa da população até a altas taxas de desemprego.

No Brasil, de acordo com dados da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), as commodities representam 6,5% do Produto Interno Bruto (PIB).

Apesar do baque econômico que atingiu o mundo inteiro por causa da pandemia da covid-19, o setor do agronegócio, grande exportador de commodities no Brasil, teve um saldo positivo em 2020, somando US$100,81 bilhões, como mostram informações do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

O Brasil é, portanto, uma potência na área e tem algumas commodities específicas como as principais fontes de capital. Entre elas estão:


1) Soja

Principal commodity brasileira, a soja exportada do Brasil representou US$ 35 bilhões apenas em 2020. Desse valor, 60% (US$ 20,9 bilhões) foram adquiridos pela China.

Quase metade de toda a soja consumida mundialmente vem de solo brasileiro, sendo utilizada para a produção de alimentos e biodiesel.

Dentre seus subprodutos estão o farelo de soja, designado para alimentar aves e suínos, o que é fundamental para as atividades da indústria de carnes.


2) Minério de ferro

O Brasil é detentor da segunda maior reserva de minério de ferro do planeta, ficando atrás apenas da Austrália. A indústria brasileira liderava o ranking global até o último ano, mas os impactos da pandemia sobre a produção fizeram com que o posto fosse perdido.

Novamente, a China é o país que mais compra do Brasil, representando 71% das importações, o equivalente a US$ 18,5 bilhões.

O ferro é o metal mais utilizado em indústrias de diversos setores, mas a sua extração é, majoritariamente, atribuída à produção de aço.


3) Petróleo

De acordo com a Agência Nacional do Petróleo (ANP), o Brasil ocupa a 10ª posição entre os maiores produtores de petróleo do planeta, e é o terceiro maior exportador de petróleo bruto.

No último ano, a Petrobrás atingiu o recorde de produção diária, sendo também a dona do título de segunda maior empresa do mundo no ramo de operações no oceano.

Em 2020, o Brasil produziu cerca de 2,94 milhões de barris por dia, acumulando um total de US$ 18,61 bilhões. Deste valor, 57% (US$ 11,34 bilhões) foram comprados pela China, mais uma vez como o principal parceiro da economia brasileira.


4) Açúcar

Importantíssimo no período colonial, o açúcar brasileiro continua na lista de commodities de maior destaque. O Brasil, inclusive, ainda é o principal produtor e exportador do mundo.

Considerando todos os elementos do complexo sucroalcooleiro, incluindo adoçante, álcool e cana-de-açúcar, o setor responde a 9,9% das exportações do agronegócio, chegando a quase US$ 10 bilhões em 2020.


5) Carne bovina

Com mais de 220 milhões de cabeças de gado, o que corresponde a 14% do total em todo o mundo, o Brasil tem o maior rebanho bovino no planeta. Consequentemente, também é o maior exportador de carne bovina.

No último ano, o volume desse tipo de carne exportada para fora do país atingiu um pico de 2.016 milhões de toneladas, com receita de US$8,4 bilhões.

Além dos bois, a indústria brasileira também tem participação muito significativa nos setores de suínos e aves. Somando tudo, o saldo ficou em US$ 17,16 bilhões em 2020.


6) Celulose

A celulose serve de matéria-prima para a fabricação de papéis, tecidos, aditivos alimentares e comprimidos.

Sendo a sexta maior no mercado mundial, a celulose brasileira teve a China, Estados Unidos e Itália como maiores compradores no ano passado, com US$ 2,8 bilhões, US$ 994 milhões e US$ 487 milhões, respectivamente.


7) Milho

Mesmo que o milho seja um ingrediente muito popular na culinária de diversos países, seu principal uso é destinado à alimentação animal, representando 70% do consumo, conforme aponta a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), mas também é utilizado em produtos alimentícios humanos e na manufatura de etanol.

O Brasil é o segundo maior produtor global de milho, perdendo para os Estados Unidos, mas existe a possibilidade de que se torne líder em pouco tempo.

Em 2020, levando em conta o mercado de cereais, farinhas e preparações, as exportações brasileiras ficaram em US$ 6,89 bilhões.


A produção de commodities

Como é possível perceber pela lista acima, o Brasil é um grande produtor e exportador de commodities agrícolas. Isso se justifica pela abundância de terras e recursos naturais, bem como o clima favorável para o plantio e criação de animais.

Outro motivo é a presença da Agronomia no cenário brasileiro, englobando várias áreas de atuação que são fundamentais para o estudo, manutenção e crescimento da produção de tais commodities.

Além da importância para a alimentação e abastecimento das indústrias, essas áreas de conhecimento geram, direta ou indiretamente, milhões de empregos, o que contribui ainda mais para o aquecimento da economia.


Por: Dalton Ribeiro da SEO Marketing


AudioLivros & Vídeos Saúde em Foco

Comments


P.09 DA ED_edited.jpg
bottom of page