top of page
GUPET.jpg
Logo Site Projetar e Construir.jpg
LOGO FINANÇAS E CONTABILIDADE.jpg
LOGO SAÚDE EM FOCO.jpg
Logo_AgroNegócio_&_Veterinária_Miniatura
Logo Moda & Tecnologia Miniatura.png
Logo Educação Política miniatura.jpg
MÍDIA DA CASTERLEITE ATUALIZADA_edited.jpg
95090b_c4ed513d5c6c4c7ab4c88326c9ab528b~mv2.png
MIDIA JORNAL A FOLHA DO VALE DISK PRÁTIC
Guia Digital da Cidade_edited.jpg
Mandala%20do%20L%C3%ADrio_edited.jpg

Integração Ativa, no Guia Digital da Cidade:

Jovem que perdeu o ENEM por amamentar filho ganha bolsa em faculdade


Após anos de preparação, enfim chega o dia onde uma prova será o critério único para avaliar se você está apto ou não para entrar numa universidade. Um misto de tensão e ansiedade toma conta dos inscritos que seguem para mais de quatro horas de prova.

O exame nacional do ensino médio é marcado por ser o meio pelo qual diversos estudantes encontraram o caminho para a realização de seus sonhos, mas por outro lado temos os candidatos que têm seus sonhos frustrados por perderem o horário.

Esse foi o caso de Débora Gomes. A moça de 26 anos ficou conhecida após chegar atrasada ao portão de prova e ser barrada de entrar.

Quando perguntada pelo motivo do atraso, ela respondeu: “Tenho um bebê de cinco meses e ele mama. Foi por causa da amamentação que demorei“.

A resposta comoveu os presentes e em pouco tempo o vídeo era viral no Instagram e levantava a dificuldade que as mães encontram para continuar os estudos.


A reviravolta

Após toda a repercussão do caso, o que parecia ser o final de um sonho para a jovem, se tornou um início. Isso porque muitas faculdades comovidas com a história ofereceram bolsas de estudos integral para ela.

Foram oferecidas bolsas de algumas faculdades com 100% de gratuidade. Estou muito grata, primeiramente a Deus, e, segundamente, à faculdade“, declarou Débora.



A jovem lembra que seu sonho é cursar medicina, mas ressalta que para ela seria muito difícil conciliar a rotina intensa do curso com a maternidade. Então, dentre os cursos que lhe foram oferecidos pelas instituições, ela ainda está indecisa por qual irá optar.


Ainda estou escolhendo um curso. Vamos resolver, vamos fazer uma reunião e eu estou decidindo ainda o curso“, explica. Débora fala com a alegria do quão surpreendida ela foi pela repercussão de seu caso.

Não esperava tanta repercussão e apoio. Estou muito entusiasmada e pretendo investir nos estudos, para que possa entrar no mercado de trabalho e continuar na luta pela concretização dos meus objetivos“, concluiu ela.


Uma luta desconhecida

Sem sombra de dúvidas, milhares de mulheres se enxergam no lugar da jovem. Ter que optar "entre" um futuro promissor e a maternidade é a realidade de muitas.

A menor quantidade de mulheres no mercado de trabalho e a sua média salarial inferior a dos homens apontam para essa triste situação. Muitas delas são impedidas de investir em suas carreiras profissionais.

O problema se torna ainda maior quando essa mãe não conta com uma rede de apoio formada por parentes e amigos que lhe dão suporte no cuidado das crianças.

A falta de formação acaba levando-a à dependência financeira do homem, e muitas vezes se torna um motivo pelo qual ela se submete a violência doméstica.

A atitude das faculdades pernambucanas foi um grande passo no processo de sensibilização dos cursos de formação e processos seletivos à realidade da maternidade.


Por: Jimmy Alef (Formado em História, entusiasta da literatura, apaixonado por artes e redator. Notícias boas e inspiradoras). Crédito ao portal Awebic


Saúde em Foco


Comments


P.09 DA ED_edited.jpg
bottom of page