top of page
GUPET.jpg
MÍDIA DA CASTERLEITE ATUALIZADA_edited.jpg
95090b_c4ed513d5c6c4c7ab4c88326c9ab528b~mv2.png
MIDIA JORNAL A FOLHA DO VALE DISK PRÁTIC
Guia Digital da Cidade_edited.jpg
Mandala%20do%20L%C3%ADrio_edited.jpg

Integração Ativa, no Guia Digital da Cidade:

Construção da nova célula do aterro sanitário já está em fase final


Mais uma obra de grande importância para a sociedade Juinense foi construída no aterro sanitário municipal que fica localizado na MT 170, cerca de 20 km do centro da cidade de Juína.


Estamos nos referindo sobre a construção de mais uma célula que contribuirá para destinação adequada do lixo produzido no município. A construção da primeira célula foi em 2010 e agora a segunda que início no ano de 2018 e teve sua conclusão somente em 2019, explicou o prefeito Altir Peruzzo.


Com a construção da nova célula a antiga será fechada para decomposição do lixo que lá foi depositado.


Segundo o gestor, a nova célula possui cerca 150 metros de comprimentos por 50 de largura com a profundidade de 09 metros e um custo estimado de R$ 1.200.000.00, sendo que o tempo estimado para uso da mesma será de 05 a 06 anos, podendo prolongar por mais tempo uma vez que os espaços laterais poderão ser elevados desde que seja adequado de forma correta.


O município de Juína é um dos poucos que possui aterro sanitário, sendo que na época da construção o aterro era o 5º do estado, porém apenas mais alguns aterros foram construídos em todo o estado, onde esse número não passa de 10 segundo o que pontuou o prefeito Altir Peruzzo.


Hoje, os juinenses produzem aproximadamente 38 toneladas de lixos dia, ao ser questionado sobre o processo de reciclagem do lixo o que diminuiria esses números, Altir ressaltou que tudo o que for reciclado deixará de ocupar espaço no aterro, porém o valor do frete para levar os produtos para reciclar na capital Cuiabá torna-se caro devido ao valor do frete, ou seja, fica inviável a realização do processo de reciclagem, porém o prefeito ressaltou que o espaço destinado ao aterro sanitário possui espaço suficiente para mais duas células que comportarão o lixo da cidade por um período de 30 anos de utilização do espaço, e o município terá tempo suficiente para planejar um novo espaço para outro aterro sanitário.

Os recursos foram todos oriundos dos municípios, finalizou Altir Peruzzo.