top of page
GUPET.jpg
MÍDIA DA CASTERLEITE ATUALIZADA_edited.jpg
95090b_c4ed513d5c6c4c7ab4c88326c9ab528b~mv2.png
MIDIA JORNAL A FOLHA DO VALE DISK PRÁTIC
Guia Digital da Cidade_edited.jpg
Mandala%20do%20L%C3%ADrio_edited.jpg

Integração Ativa, no Guia Digital da Cidade:

Energia elétrica: CPI realiza hoje a sua 1ª audiência pública


A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que foi criada pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso com o objetivo de investigar o aumento nas contas de energia elétrica no estado e também o enxugamento nos quadros de funcionários e a má prestação dos serviços concessionados, realiza hoje (1º), na Câmara Municipal de Rondonópolis, a partir das 19h, sua primeira audiência pública.


A audiência foi solicitada pelos deputados estaduais Sebastião Rezende e Thiago Silva, em parceria com os vereadores Orestes Miraglia, Adonias Fernandes e Reginaldo Santos, com a intenção de discutir a qualidade dos serviços prestados pela concessionária de serviços públicos de fornecimento de energia elétrica – Energisa-MT.

Segundo informado, o número de denúncias sobre o mau serviço da empresa aumentou mais de 70% nos últimos meses e para apresentar mais dados, a Superintendente do Procon em Mato Grosso, Gisela Simona, irá participar da audiência desta sexta-feira.


O deputado Elizeu Nascimento (DC) ficou como presidente da CPI. O deputado estadual Carlos Avallone (PSDB) foi eleito relator, enquanto o deputado Thiago Silva (MDB), como já foi mencionado, foi escolhido para ocupar a vice-presidência da comissão. Também são membros titulares Paulo Araújo (PP) e Dr. Eugênio (PSB).


“A partir de agora iniciaremos as oitivas, as audiências [públicas]. A primeira a fazer o pronunciamento será a Gisela [Simona], que é a superintendente do Procon do estado e teremos outros, como o sindicato dos trabalhadores da Energisa. Ouviremos setores como o Ipem, que é o instituto que afere a qualidade de produtos, porque temos uma referência na questão dos relógios do estado de Rondônia, onde a perícia constatou, segundo informações da imprensa, que os relógios estão viciados com 40% na leitura”, adianta Elizeu Nascimento. Segundo ele, o principal objetivo dos trabalhos é o de dar respostas efetivas à população.


O deputado Carlos Avallone defendeu a divisão dos trabalhos em diferentes sub-relatorias. “A gente percebe que as reclamações são múltiplas”, diz o relator. Ele defende que a CPI verifique se a Energisa atende às exigências colocadas na regulamentação do setor. “Quanto tempo é para religar [a energia], a questão da falta de energia em muitas regiões que está paralisando indústrias, para não falar do custo [valor da conta], que é a maior reclamação de todas”, cita o parlamentar. Avallone garante que a comissão encontrará culpados pelos problemas e encaminhará as conclusões para os órgãos responsáveis, como a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e Ministério Público.


“Desde o início do nosso mandato cobramos, na tribuna da Assembleia, melhores condições de atendimento por parte da Energisa para com os consumidores e esse debate que vamos promover servirá para ouvir as reclamações da população sobre o serviço prestado e nortear nossa atuação no parlamento. Como vice-presidente da CPI da Energisa estamos promovendo esta audiência pública regional”, disse o deputado Thiago Silva.


A CPI da Energisa terá duração de 180 dias e vai averiguar denúncias de contas abusivas, demora no atendimento como religação de energia, redução no quadro de servidores e ganho exorbitante em cima do consumidor.


P.09 DA ED_edited.jpg
bottom of page