top of page
GUPET.jpg
Logo Site Projetar e Construir.jpg
LOGO FINANÇAS E CONTABILIDADE.jpg
LOGO SAÚDE EM FOCO.jpg
Logo_AgroNegócio_&_Veterinária_Miniatura
Logo Moda & Tecnologia Miniatura.png
Logo Educação Política miniatura.jpg
MÍDIA DA CASTERLEITE ATUALIZADA_edited.jpg
95090b_c4ed513d5c6c4c7ab4c88326c9ab528b~mv2.png
MIDIA JORNAL A FOLHA DO VALE DISK PRÁTIC
Guia Digital da Cidade_edited.jpg
Mandala%20do%20L%C3%ADrio_edited.jpg

Integração Ativa, no Guia Digital da Cidade:

Isso parece corrupção e improbidade administrativa sendo praticada pelo prefeito de Cotriguaçu

Todos sabemos que se uma pessoa for pega roubando ou furtando, e na mesma hora, ou pouco tempo depois a pessoa devolver o produto, coagida ou forçada, ou mesmo de livre e espontânea vontade devolver os produtos de roubos e/ou furtos, pouco importa, responderá mesmo assim pelo crime de roubo e/ou furto, mesmo que com atenuantes.



Mas o que dizer de pessoas de bom patrimônio, com declarações de bens acima de um milhão de reais (R$ 1.000.000,00) de bom capital portanto, mesmo assim, faz o cadastro visando receber recursos públicos que são destinados as pessoas e famílias de pouco poder aquisitivo, de pouco poder econômico, isso parece corrupção, isso é se aproveitar de uma situação para tirar proveito próprio, esse foi o caso do atual prefeito de Cotriguaçu, Olirio Oliveira dos Santos, que parece que cometeu corrupção, portanto, mesmo com a devolução do produto, parece que o crime de corrupção nem deixou de existir.


Portanto, nem é de estranhar que possivelmente o prefeito Olirio busque tirar vantagem do cargo enquanto gestor público (corrupção), provavelmente avançando nos recursos públicos objetivando tirar o máximo de vantagens pessoais possíveis do cargo, visando possivelmente obter o máximo de lucro possível pessoal, obtendo com isso um possível enriquecimento ilícito e causando um possível prejuízo ao erário público de Cotriguaçu.


Mas vamos aos fatos, qualquer pessoa que realmente visa economia, eficácia e eficiência, busca obter com menos recursos possíveis, o maior retorno possível, pois como bom gestor, visa economia, eficiência e eficácia, pois estaria preocupado em economizar os recursos públicos, mas no caso em tela, parece bem o contrário, parece mais evidente a busca de justificativas para provavelmente embolsar os recursos públicos.



Por exemplo, o prefeito, Olirio Oliveira dos Santos já teria pegado para o período de 30/08/2021 a 02/09/2021 duas diárias para supostamente resolver uma demanda de interesse da administração pública em Sinop, portanto, nesse período o prefeito já estaria em Sinop, pois foi lançado o valor de R$ 702,00 (setecentos e dois reais), isso se antes o veículo utilizando já nem foi abastecido na ida e na volta em alguma outra licitação visando combustíveis para o erário público, pois normalmente nem se anexa os comprovantes a onde foi gastado os valores de diárias, ou seja, pouco importa se gastou ou não, esses recursos nem voltam para os cofres públicos.



Todavia, nem faz sentido novamente o lançamento de mais uma diária na data de 31/08/2021 a 01/09/2021 para resolver outra demanda de interesse do município em Sinop, ora, o prefeito já estava na localidade, já teria recebido diárias para estar em Sinop no período, logo, nada de economicidade dos recursos públicos, mas o máximo de justificativas para embolsar recursos públicos, pois nem vem os comprovantes que realmente os recursos públicos foram gastos em trabalho, portanto, parece o uso de diárias para enriquecimento ilícito, trazendo prejuízo ao erário público.



Vamos a esse outro exemplo, o prefeito pega 4 diárias (R$ 1.956,00) para ir de Cotriguaçu a Cuiabá no período de 22/03/2022 a 25/03/2022, mas por incrível que pareça o digníssimo prefeito, muito preocupado com os recursos públicos, aproveita e pega mais uma diária para também estar em Juína no 22/03/2022 a 22/03/2022, sem dizer que num local está escrito que a diária era R$ 190,00, mas embolsou o valor de R$ 351,00, ora, para ir de Cotriguaçu a Cuiabá já estaria passando por Juína, então porque se aproveitar mais uma vez do cargo e do poder discricionário e pegar mais uma diária, se poderia resolver as supostas demandas do município sem custo algum mais, pior ainda, quem garante que esse ilibado prefeito nem abasteceu o veiculo em algum posto em alguma licitação que o município já possui?



Esses tipos de situações parecem ser normais no modus atuante do atual prefeito de Cotriguaçu, para um período pega diárias para ir a Cuiabá e já arruma alguma suposta situação para resolver em Juína no mesmo período e embolsa mais alguma diária, ou pega diárias para ir a Cuiabá e no mesmo período pega diária para ir a Nova Bandeirante ou outro município que fica no trajeto que nem justificaria pegar mais diárias, parece realmente o interesse de se aproveitar dos recursos públicos buscando o enriquecimento ilícito ao custo dos cofre público.



Inclusive situação semelhante fez o prefeito de Cotriguaçu, para um período pega diárias para ir a Brasília, mas no mesmo período pega outras diárias para ir a Cuiabá, sem dizer de lançamentos estranhos de diárias para o prefeito com CPF diferentes.


Portanto, diferente da maioria dos brasileiros que do salário tem que custear todas as despesas as custas do valor recebido, o prefeito de Cotriguaçu que recebe R$ 12.211,00 (doze mil e duzentos e onze reais), pode abastecer, dormir e viajar as custas do erário público, mas o pior é que parece evidente que somente isso nem basta, parece que o prefeito está procurando se aproveitar do cargo e dos recursos públicos e parece que está tirando mais diárias do que realmente deveria, ou seja, parece que está fazendo corrupção e improbidade administrativa.



No ano de 2021 o prefeito de Cotriguaçu gastou um valor de 47.276,00 (quarenta e sete mil e duzentos e setenta e seis reais), isso perfaz o valor de R$ 3.939,66 (três mil e novecentos e trinta e nove reais com sessenta e seis centavos), em diárias para viagens, isso porque estava em período de pandemia.



Mas nesse ano, em apenas 7 meses já se foi o valor de R$ 54.149,45 (cinquenta e quatro mil e cento e quarenta e nove reais com quarenta e cinco centavos), perfazendo um valor de R$ 7.735,63 (sete mil reais e setecentos e trinta e cinco reais com sessenta e três centavos) por mês em diárias de viagens para supostamente resolver demandas de interesse do município.