top of page
GUPET.jpg
Logo Site Projetar e Construir.jpg
LOGO FINANÇAS E CONTABILIDADE.jpg
LOGO SAÚDE EM FOCO.jpg
Logo_AgroNegócio_&_Veterinária_Miniatura
Logo Moda & Tecnologia Miniatura.png
Logo Educação Política miniatura.jpg
MÍDIA DA CASTERLEITE ATUALIZADA_edited.jpg
95090b_c4ed513d5c6c4c7ab4c88326c9ab528b~mv2.png
MIDIA JORNAL A FOLHA DO VALE DISK PRÁTIC
Guia Digital da Cidade_edited.jpg
Mandala%20do%20L%C3%ADrio_edited.jpg

Integração Ativa, no Guia Digital da Cidade:

Surpreendente descoberta de milhões de árvores no deserto do Saara


Um estudo usou inteligência artificial aplicada a imagens de satélite de alta resolução e encontrou 1,8 bilhões de árvores com um tamanho médio de copa de 12 m em uma região do noroeste da África.

O Saara, o maior deserto não polar do mundo, esconde segredos difíceis de desvendar. Agora, um novo estudo concluiu que mais de 1,8 bilhão de árvores vivem ali. Não se trata de florestas, mas de árvores solitárias.

O trabalho liderado pelo cientista Martin Brandt (Universidade de Copenhagen), publicado na revista Nature, conseguiu contar essas árvores uma a uma em uma área de 1,3 milhão de km2 no noroeste da África.

Brandt e seus colegas analisaram 11.128 imagens de satélite com resolução de 0,5 metros. Eles usaram algoritmos de aprendizado profundo para mapear árvores em uma grande área que abrange o deserto do Saara na África Ocidental, a região semi-árida do Sahel e uma área subúmida ao sul. A região passa por países como Argélia, Mauritânia, Senegal e Mali.

Como resultado, os cientistas detectaram mais de 1,8 bilhões de árvores com um tamanho médio de copa de 12 metros quadrados.

Para os investigadores envolvidos na tarefa, esta descoberta “desafia a narrativa prevalecente sobre a desertificação das terras áridas e, mesmo, o deserto apresenta uma densidade surpreendentemente elevada de árvores”.

Brandt, principal autor do estudo, disse à BBC Mundo que, embora "a maioria esteja no Sahel, há centenas de milhões no próprio Saara". Ele esclareceu que a área investigada representa apenas 20% do Saara e do Sahel, “então a contagem total de árvores é muito maior”.

"É em média uma árvore por hectare no hiperárido Saara. Não parece muito, mas acho que é mais do que se poderia imaginar", disse.

egundo a BBC Mundo, o grupo de cientistas (que incluiu vários especialistas, incluindo a NASA), conseguiu realizar o trabalho acessando imagens de satélite de alta resolução, normalmente reservadas para usos militares ou industriais.

Eles usaram mais de 11 mil imagens da região investigada, registradas por quatro satélites da empresa privada Digital Globe, que pertence à Agência Nacional de Inteligência dos Estados Unidos.

Para encontrar as árvores, utilizaram um tipo de inteligência artificial conhecido como aprendizado profundo Deep Learning), em que um computador é ensinado a fazer algo. Nesse caso, para identificar árvores. Para não confundir árvore com arbusto, os especialistas decidiram contar apenas as copas com área superior a três metros quadrados.

“Eu rotulei manualmente a área do dossel de quase 90.000 árvores”, observou Brandt.

Os pesquisadores estimaram que, se as árvores com copas menores que três metros quadrados ou arbustos menores forem incluídas, a vegetação total nesta área desértica será 20% maior.

A importância das árvores de sequeiro

A quantidade de vegetação encontrada não compensa o enorme problema do desmatamento, agravado pelos incêndios florestais. Nesse sentido, Brandt lembrou: “as árvores das zonas áridas sempre estiveram lá. Saber sua quantidade e localização é importante, mas não equivale ao crescimento de novas árvores ”.

De qualquer forma, o autor destacou a importância dessas árvores de sequeiro para as pessoas que vivem nessas áreas, “são fundamentais para a subsistência, fertilizam o solo, o que leva a maiores rendimentos e fornece sombra e abrigo para humanos e animais. Geram renda e são fundamentais para a nutrição ”.


Registro de Tiago Robles | Christian Garavaglia | O Tempo


Комментарии


P.09 DA ED_edited.jpg
bottom of page